mostrar detalles 17:05 (Hace 10 minutos)
POETA EN LA LUNA DE CUBA

LINDEN LANE PRESS Issue 2:

A book of poetry by René Dayre Abella, Cuban poet living in San Diego, California. /Un libro de poemas de René Dayre Abella, poeta cubano residente en San Diego, California.

Cita de Jorge Luis Borges

"Las dictaduras fomentan la opresión, las dictaduras fomentan el servilismo, las dictaduras fomentan la crueldad más abominable es el hecho de que fomentan la idiotez. Botones que balbucean imperativos, efigies de líderes, vivas y mueras prefijados, muros exornados de nombres, ceremonias unánimes, la mera disciplina usurpando el lugar de la lucidez... Combatir esas tristes monotonías es uno de los muchos deberes de un escritor".
Jorge Luis Borges.

EL BLOG DEL POETA RENÉ DAYRE

http://www.viadeo.com/invite/rene-dayre.abella-hernandez

José Lezama Lima: La mar violeta añora el nacimiento de los dioses,
ya que nacer es aquí una fiesta innombrable,
un redoble de cortejos y tritones reinando.


martes, 16 de octubre de 2012

Aniceto, Remisson 
 


Remisson Aniceto



Pequeña bibliografía:

Poesia para o mundo, Bubok (2009)
Todo dia é dia de poesia, iG Editores, Stella Maris/Pão-de-Açúcar - SP - (2002)
Palavras de Poetas, Physis Editora - SP - (1997)
Novos talentos da poesia brasileira, Forever Editora - SP - (1995)
Escrevo nos espaços que me restam, Editora Bauhaus - SP - (1982)

Nacido en la pequeña ciudad brasileña de Nova Era, cerca de Itabira de Carlos Drummond de Andrade, su sueño era un día escalar las montañas para verlo (después de todo, eran vecinos), pero el gran poeta había advertido mucho antes: "Tenía una piedra en medio del camino". Algunos años más tarde (1987), Drummond viajó y nunca reapareció. Remisson escribe cuentos, poemas y reseñas para algunos sitios especializados en literatura y sus textos están en la Revista Internacional de Poesía de Rosario, Revista Partes, Revista Bacamarte, en la web Auténtica Poesía (el verso con rima y medida) y otras.
Ganador de algunos prémios de cuentos y poesía, el poeta mantiene el blog "Poesia para o mundo", un espacio abierto a todos los que aprecian la buena literatura. 

Sobre a poesia de Remisson Aniceto:

Belo Horizonte, dezembro de 1999


Mesmo afastado das salas de aula há duas dezenas de anos, ainda recebo muitos textos para avaliação, a maioria sem qualidade. No último janeiro (já estamos no Natal) descobri quase uma centena de poemas assinados por Remisson Aniceto, nome até então totalmente desconhecido para mim. E o autor roga que eu lhe escreva algumas linhas, o que, após ler su a poesia, não me é nenhum sacrifício.

Confesso que há muito não me interessava pela poesia, mas após me alimentar de tão belos textos meu gosto se renova. É verdade que fui atraído pela essência, pelo tempero, e não pela forma que, cá entre nós, não deixa muito a desejar, não.

A poesia deste autor não parece ser puramente confessional, tampouco assintomática. Entretanto, se não retrata totalmente as suas vivências, também procura se valer do real, às vezes. É como se o olhar do poeta se incorporasse ao olhar dos transeuntes - não à revelia do primeiro - e ele se visse através do observador e se descrevesse. Assim, se de início nos parece uma artimanha do poeta par a se descompromissar de sua poesia, nessa concepção a sua poesia é ele mesmo, analista do olhar cotidiano que o observa.

Ouso dizer, ainda, que os poemas menores, pouquíssimos, não comprometem a excelência da maioria dos textos deste autor que, através da poesia, almeja ser o que não foi, fazer o que não fez, ter o que não teve... Sonho de quase todo poeta.

E como, constantemente, sou atacado pela fome do indissolúvel e pelo desejo do impalpável, recorro aos seus poemas e me sacio. Delicioso néctar da imaginação!

Antoine Verger
Professor e crítico literário

Beba!

Água potável!

Coisa mais difícil é opinar sobre uma obra engendrada por seu amigo.

Se não agradou, como falar mal de um filho para o pai?

Se agradou, como exprimir-se na intensidade adequada e justificar seu parecer?

E põe dificuldade nisto se for poesia!

É um desafio que sempre enfrentei. Os muitos anos (quase trinta), dia a dia, vividos na tentativa de interpretar para os alunos as contribuições que a arte literária já firmada pela cultura pode trazer a cada pessoa, em vez de insensibilizar criaram uma inquietude. Confesso que ao encontrar alguma mina nova aflorando a terra, tentando abrir um sulco para expor-se como água de beber, tenho sede e sempre experimento, até com um ar de obrigação.

É o caso de Remisson. Li, digerindo, uns 50 poemas seus.

É terra privilegiada que absorve todas as chuvas. Sinto infiltrandose nele águas do Romantismo, do Parnasianismo, do Si mbolismo (mais Alphonsino que Cruzeano) do Augusto inclassificável dos Anjos desangelizador e até jorros da bilha do Fernando português. Mas, não só. Há chuvas de todos os climas e estações.

Mas tudo sai a seu modo, à sua pessoa. Repito: é terra fértil, não porosidade filtrante.

Remisson tem tudo de nascente: filtra, enriquece, mistura, alquimiza.

Como todo mundo, adota calhas, mas o faz com arte e competência, sobretudo as do soneto. (Acho, aliás, que todo bom sonetista é sempre um grande poeta). A prova disto é que a água corre, mineral, cristalina, leve, surpreendente, medicinal.

Pode beber. Em algum local psíquico, em algum momento sedento, vai lhe fazer bem.
Prof. João E. Magalhães - Literatura
Colégio Stella Maris (SP)
Agosto de 2001


São Paulo, 20 de junho de 2006


Caro Remisson,

Demorei para responder, porque minha agenda não é nada fácil.

Fui lendo um dia uma coisa, outro, outra. Como o meu conhecim ento de poesia é limitado (sabe que nunca fiz uma só em toda a minha vida?) fui pelo impacto que os textos me produziram. De uns gosto mais, de outros menos. O essencial é que uma pessoa tenha a ousadia de fugir da mesmice do dia-a -dia, do tédio da rotina, procurando criar. A criação é o que fica, nos justifica. Textos, sejam poemas, contos, crônicas, ou o que for têm sua vida própria e atingem os outros de maneira misteriosa e mágica. Gosto de uma coisa, o outro detesta essa mesma coisa. Essa variedade é que torna o escrever fascinante. Lendo um poema como Transição, por exemplo, me vem à mente a poesia de Augusto dos Anjos, autor que rompeu com tudo e formou a cabeça da minha geração. E quando deparo com Vizinho ilustre, sinto em você uma guinada. Muito diferente dos poemas anteriores. Muito forte. Poucas palavras e muita ironia. Este poema define o criador. Vemos o que não estamos vendo. Em O amante você faz o que todos fazemos com a criação. Desafiamos a morte. Ela que venha, que nossos textos nos tornam imortais. É uma auto-confiança enorme, e quem escrever precisa disso. Bem, quando cheguei em Convite, não gostei. Meio chavão, meio clichê. No entanto, em Invólucro, você cresce, domina, extrapola, envolve, aterroriza. Belo, belo! Nova Era é um momento de ternura. Necessário. Quanto a Cara de pau é perfeito. Diz o que muita gente quer dizer e não sabe. Ótimo. Em O eu anômalo entra o sarcasmo, a auto-ironia, a auto-crítica. Muito bons ainda Prisão e liberdade e Só o tempo passa.

O que citei foi o que mais me capturou. Mas quero adiantar que cada leitor é um leitor diferente. Quero afirmar que você precisa escrever, deve escrever, não pode parar de escrever , porque dentro de você está um vulcão em erupção, está um homem com visão de mundo e de vida, um homem inconformado e rebelado. E a poesia é a forma de colocar para fora tudo isso. Para que os outros partil hem.

Grande abraço do

Loyola Brandão

Ignácio de Loyola Brandão nasceu em Araraquara (SP) em 31 de julho de 1936. É autor de Cadeiras proibidas, Zero, Não verás país nenhum, Cuba de Fidel, O beijo não vem da boca, Veia bailarina, entre muitos outros livros.
Remisson Aniceto
Ir a índice de América

Ir a índice de Aniceto, Remisson

Ir a página inicio

Ir a mapa del sitio

De Repente, nas Profundezas do Bosque, de Amós Oz (Resenha)
Dom Camilo e os Cabeludos, de Giovanni Guareschi (Resenha)
Educação - Os fantasmas da nossa adolescência
Fogão de Lenha, de Maria Stella Libânio Christo (Resenha)
O Crime do Padre Amaro, de Eça de Queirós (Resenha)


Poesía


En portugués


Realeza Desvario
O teatro O novo acordo
A Rosa dos anjos Coração
Terapia do riso absurdo Parentes
Os dançarinos Prisão e liberdade
Fantasia


En español


Áurea Envoltura
Insurrecto Transición
Lluvia O tal o cual
Prendas de vestir


En italiano


Substancia


Narrativa


Um caso de transmissão


Comentarios, notas, etc. sobre la obra de Remisson Aniceto


Datos Bio-bibliográficos y comentarios sobre su obra





Ir a página inicio

Ir a índice de América

Ir a mapa del sitio

TOMADO DE:  http://letras-uruguay.espaciolatino.com/aaa/aniceto_remisson/indexe.htm

No hay comentarios:

Publicar un comentario